Uns minutos com Belvedere

Tenho sido feliz procurando crescer dentro do que me propus.

Textos

Análise crítica de um poema Belvederiano
Análise crítica de um poema Belvederiano
ESCOLHAS
Um texto de Belvedere Bruno

(Análise crítica)

Maria José Limeira

Este poema curto (curtíssimo) é um texto-relâmpago,
literalmente, com o poder arrasador de um relâmpago
verdadeiro. Este poema, no meu parco entendimento, tem
o mesmo poder de um palavrão, quando a gente se irrita
e, de braços dados com a tal gota-dágua, explode. É
surpreendente, do início ao fim, com uma solução
altamente criativa.
Conheço os textos dessa autora, que se sai muito bem
na prosa, com o mesmo poder de concisão.
Mas, este poema aqui, sinceramente... Se ela nunca
tivesse escrito nada, ou encerrasse aqui sua
trajetória, este poema, para mim, valeria como
obra-completa.
A palavra tugúrio nunca foi usada, pelo menos que eu
saiba, com tanta propriedade.
Eu posso comparar o texto aos belos escritos de Mário
Quintana, que sabia usar a ironia como ninguém para
derrubar seus adversários e os problemas de sua vida.
Era curto e grosso, e sem mais delongas.
Esta minha humilde opinião.

belvedere
Enviado por belvedere em 05/01/2008
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Texto de Belvedere Bruno). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras